Por que o lazer precisa ter um espaço definido na sua agenda

Por que o lazer precisa ter um espaço definido na sua agenda

Texto de minha autoria originalmente postado no Blog Prisma (18/07/19) na coluna de Reflexões

Vivemos em uma cultura que valoriza trabalho muitas vezes de forma massacrante e se esquece do lazer. A noção de sucesso vem atrelada à correria, produção e esgotamento. Um profissional visto como bem-sucedido — devo avisar que não por mim! — é aquele que não tem tempo, que almoça na mesa de trabalho, que sai depois de 21h do escritório. Fico pensando quando essa pessoa usufrui do dinheiro que produz ou até se recebe o correspondente ao tanto que se dedica.

ivemos em uma cultura que valoriza trabalho muitas vezes de forma massacrante e se esquece do lazer. A noção de sucesso vem atrelada à correria, produção e esgotamento. Um profissional visto como bem-sucedido — devo avisar que não por mim! — é aquele que não tem tempo, que almoça na mesa de trabalho, que sai depois de 21h do escritório. Fico pensando quando essa pessoa usufrui do dinheiro que produz ou até se recebe o correspondente ao tanto que se dedica.

Penso que as coisas já não eram boas, mas pioraram um pouco com as startups. Só porque há um videogame ou uma sala de descanso com pufes coloridos na empresa não quer dizer que as pessoas vão se sentir à vontade para utilizá-los. Geralmente vão ficar preocupadas com as metas a cumprir e o videogame apenas vai fazer parte da imagem cool do local. Nota: pessoas que atendo que trabalham nesses locais costumam precisar identificar em terapia o quanto realmente deveriam trabalhar. Sentem-se ansiosas com as metas e como a coisa é muito livre — sem horário para entrar, por exemplo — acabam ficando também sem horário para sair. Torna-se uma liberdade que aprisiona por outras vias se a pessoa não estiver atenta aos próprios limites.

A noção de ser “útil” se mistura com “trabalhar”

Percebo frequentemente essa confusão: as pessoas pensam que sentir-se útil tem a ver com estar trabalhando. E quando essa relação trabalhar = ser útil se repete muito, um significado cola no outro com mais força. A pessoa torna-se uma tarefeira, porque é a única maneira que passa a se sentir “bem” já que o que não for considerado trabalho é visto como tempo inútil, improdutivo. Depois ela começa a colar esses rótulos em si mesma.

O que é entendido como trabalho vai variar para cada um. Tem gente que acha que é somente aquilo que produz dinheiro como consequência. Há outros que entendem que trabalho pode produzir também diversos tipos de resultados que não monetários. Algumas pessoas pensam que é uma tortura, outras que é o maior significado que temos na vida. Há quem coloque estudo dentro da categoria trabalho e por aí vai.

Um prato cheio para a ansiedade

A partir do estabelecimento dessa relação em que nos sentimos úteis somente quando estamos trabalhando (cada um com sua noção do que isso seria), a ansiedade tem espaço de sobra para operar. Já cansei de ver pessoas que se sentem ansiosas justo quando estão em seus momentos de lazer e descanso. Não sabem o que fazer com o próprio tempo ou ao escolher algo para se dedicarem têm a percepção negativa e incômoda de que estão sendo “inúteis”.

Se nossa rotina prioriza demais fazer somente aquilo que está delimitado, que é obviamente necessário — como as obrigações do trabalho, de cuidar de casa, de filhos e afins — quando temos tempo livre, ficamos perdidos. Como preencher? Como saber o que traria satisfação?

Uma coisa é fazer algo que você deliberadamente sabe que não gosta; outra coisa é investir tempo no que você tem memória de gostar e ainda assim não conseguir apreciar a experiência. Sabe o que está acontecendo quando funciona assim? Você está tratando sua vida como se ela tivesse uma área só: trabalho.

A sua vida não é só trabalho!

Com essa ideia finalmente te explico por que o lazer precisa ter um espaço definido na sua agenda: sua vida possui múltiplas áreas e você precisa cuidar bem de todas elas!

Balancear trabalho que gera dinheiro (se for o seu caso), trabalho que gera outros resultados que não monetários, autocuidado, família, encontros com os amigos, investimento de tempo em hobbies, saúde física e mental e descanso é fundamental para uma qualidade de vida adequada, para o seu bem-estar.

Por isso venho insistindo na ideia de que devemos colocar nosso lazer na agenda. Ele tem tanta importância quanto qualquer outro compromisso para que tenhamos uma vida equilibrada. Eu tenho o hábito de usar agenda porque marco com meus clientes e tenho que saber o horário de cada um deles. O costume acabou se estendendo para outros compromissos e resolvi reservar tempos na agenda com o título lazer. Dentro dessa categoria posso escolher o que estiver com mais vontade fazer naquele momento entre diversas opções que me agradem.

Com o tempo reservado na agenda, lembro-me da importância que dou ao meu lazer e descanso e sei que as outras coisas que preciso fazer, especialmente as que chamo de trabalho, também têm seu horário garantido. Descansar e me divertir não vai implicar em deixar de fazer nenhuma das outras atividades que também são importantes, uma vez que está tudo organizado nas suas devidas janelas de tempo.

Baby steps: o que são e por que você deveria adotar agora essa forma de agir

Baby steps: o que são e por que você deveria adotar agora essa forma de agir

Texto de minha autoria originalmente postado no Blog Prisma (24/06/19) na coluna de Reflexões

Estou escrevendo este texto para ver se eu também entendo de uma vez por todas, acolho essa ideia e transformo em prática os baby steps. Converso com vocês enquanto também estou falando comigo. Venho tentando caminhar com mais vagar, porém com mais constância. Vez ou outra me esqueço disso e incorro no erro de querer fazer tudo de uma vez, o que acaba produzindo ciclos de ânimo versus desânimo em minha vida.

leia mais

×